Trilogia Pusher, de Refn

Refn é um diretor novo, mas nós já havíamos comentado sobre ele aqui (no post do Bronson); ele vem conquistando cada vez mais fãs e construindo uma carreira muito interessante. Recentemente com o seu aclamado trabalho Drive, entrou no cenário mainstream e foi comparado aos grandes nomes do cinema. Mas não é de hoje que estas comparações pululam com o nome de Refn. Se Drive foi citado como “o novo Taxi Driver“, Bronson já havia sido citado como “O Laranja Mecânica do novo século” e, antes dos dois, sua trilogia Pusher já recebia as honras de “The Sopranos europeu“. E … Continuar lendo Trilogia Pusher, de Refn

Repulsion, de Polanski

large_repulsion_blu-ray2x1

Polanski é um grande diretor. Embora as polêmicas pessoais envolvendo processos com menores de idade e o drama de sua esposa assassinada (a famosa Sharon Tate, no conhecido caso de Charles Manson e seus seguidores), ainda assim, o diretor se sobressai e consegue ser mais importante pelos seus filmes do que pelos fatos da sua vida fora do cinema. É o responsável pela aclamada trilogia do apartamento, onde gravou 3 filmes distintos com uma temática envolvendo o terror e suspense de personagens reclusos em suas próprias casas, enlouquecendo aos poucos. Dentre os três filmes, o de maior destaque é o famosíssimo O bebê de Rosemary, elogiado pela crítica e considerado um dos melhores filmes de terror até hoje. Mas, não só ele, há também o igualmente fantástico O inquilino e, por último, o filme que falaremos hoje, aqui: Repulsion (ou, na horrenda tradução nacional, Repulsa ao Sexo).

Continuar lendo “Repulsion, de Polanski”

Drops: Mega Trailer O Cavaleiro das Trevas Ressurge

Mega trailer com cenas do filme e cenas dos bastidores do ultimo filme da trilogia de Nolan! Precisa de algo mais? O filme mais esperado do ano está quase estreando aqui no Brasil, falta pouquinho! Para aguentar até o dia 27 desse mês, e aumentar as expectativas, nada melhor que esse super vídeo.

Continuar lendo “Drops: Mega Trailer O Cavaleiro das Trevas Ressurge”

Filmes e suas continuações

Não tenho nada contra sequências cinematográficas. Somente quando desnecessárias, que quase sempre são.

Após dar uma volta por alguns sites relacionados ao assunto, e ver a quantidade absurda de continuações que estão saindo, sendo produzidas, ou estudadas para serem produzidas é algo que me decepciona, de certa forma.

Não que eu seja contra sequências, acho que quando tem um nexo e um porquê de existirem são totalmente válidas e construtivas para o mundo cinematográfico. Porém quando são feitas, só por que o primeiro deu certo e fez sucesso, por exemplo, não passam de uma grande perda de dinheiro e tempo. Além de queimar o primeiro filme. Isso, pra mim, é falta de criatividade e algo que visa somente o lucro (o que muitas vezes não acontece, visto que a sequencia é uma grande porcaria).

Filmes como Senhor dos Anéis, Harry Potter, Saga Crepúsculo, são totalmente aceitáveis. Não vou citar os filmes do Batman (todos os que foram produzidos até hoje), por exemplo, pois não se tratam exatamente de uma sequência, embora a trilogia de Nolan se encaixe nesse aspecto, mas por um filme ser tão diferente do outro, as “continuações” são totalmente válidas.

Continuar lendo “Filmes e suas continuações”

Trilogia O Senhor dos Anéis

Gosto muito do trabalho de J.R.R. Tolkien. Sou fã declarado do cara. Na teoria, a argumentação de Tolkien é muito simples: um emaranhado de contos/tradições nórdicos e bretões na mesma história, colocados de maneira que se faça sentido e representem a mesma linha cronológica. Na prática, é muito mais profundo que isso.

Tolkien não apenas jogou um bando de contos ali, não foi um “reaproveitador” ou qualquer coisa do tipo, Tolkien fez disso o seu próprio universo*. Embora suas histórias se baseiem inteiramente sobre uma mitologia já conhecida, a sua interpretação foi tão profunda, rica e detalhista, que há quem a chame de “mitologia Tolkien”. E é neste universo que seus fãs, como eu, fazem a festa. Como exemplo, não estaríamos falando apenas de Frodo na sua missão para destruir o Anel, mas sim em tudo aquilo que cercou sua jornada, com terrenos, condados, personagens secundários, espécies etc.

Continuar lendo “Trilogia O Senhor dos Anéis”